ecossistemas E poluição

 

Orientação: Fernanda B. Menghini; Franciele M. L. Zanardo; Paulo A.  F.  Bohm.

 

Supervisão: Prof. Dulcinéia E. Pagani Gianotto

 

Autores: Alex Atsughi Ozumi; Diego Fiori Gil; Fábio Noda Okuda; Kaio M. Pastro; Lívia Akemi Otani; Reinaldo da Silva Barboza Júnior; Rodrigo Hiroto Fukushima; Sérgio V. de Castro.

 

                            INTRODUÇÃO:

 

                               É comum hoje falarmos em ecologia, que devemos cuidar do nosso planeta, mas muitas informações que chegam até nós nem sempre são verdadeiras ou não são claras. E se considerarmos as informações mais simples que nos chegam, como não poluir, uma grande parte da população nem se importa.

                                    Pensando nisso, nós alunos do curso de Ciências Biológicas, decidimos propor um projeto aos alunos do 1º ano do ensino médio, para estudar os efeitos da poluição. A estrutura para o desenvolvimento deste projeto foi baseada em maquetes de ecossistemas construídas em aquários onde foram adicionados poluentes, tanto os componentes dos aquários quanto os poluentes foram escolhidos pelos alunos, autores do projeto.

 

 

 

OBJETIVO:     

 

O objetivo deste trabalho é mostrar um pouco mais sobre ecossistema, entender a reciclagem da matéria, o ciclo da água e o conjunto de reações que ocorrem entre seres vivos e meio físico e químico. Depois observar as reações produzidas pela contaminação pela fumaça de cigarro e pela chuva ácida, procurando relacionar com a poluição a nossa volta, desta forma poderemos adquirir consciência de como, pelo menos em parte a poluição prejudica o meio ambiente.

 

 

MATERIAIS E MÉTODOS:

 

Para execução deste trabalho foram utilizados dois aquários, terra vegetal, pó de xaxim, pequenas plantas, pequenos animais, água, papel filme, ácido clorídrico (HCl) e dois cigarros.

A primeira etapa do projeto foi montar um ecossistema controle, que consistiu no aquário, organizado com a terra vegetal, pó de xaxim, água, exemplares de plantas de pequeno porte, animais de pequeno porte e de   papel filme para isolá-lo. Este ecossistema foi observado a cada dois dias e mantido ao ar livre durante um mês. Após este período este aquário foi aberto e  impactado com fumaça de cigarro. Imediatamente após o impacto, o aquário foi isolado com o papel filme novamente. Ele continuou a ser observado a cada dois dias mais um mês após o impacto.

Um segundo aquário foi montado da mesma forma que o aquário controle,  impactado com ácido clorídrico e imediatamente vedado. Este aquário também foi observado todos os dias durante um mês e mantido ao ar livre como o outro aquário.

 

 

 

 

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA:

 

A ecologia trata das relações estabelecidas entre os seres vivos e o meio físico, formado pela luz, pelo ar, temperatura, umidade, tipo de solo, pela água e sais minerais. Estes fatores são exemplos dos chamados fatores abióticos. O conjunto de todos os seres vivos compreende os fatores bióticos.

A reunião e a interação da comunidade com o ambiente forma um sistema ecológico ou ecossistema. Não podemos limitar o tamanho de um ecossistema, pois ele pode ser constituído por uma gota de água contendo orvalho até um oceano, desde que ocorra interação entre fatores abióticos e fatores bióticos.

As interações que ocorrem em nosso planeta são tão grandes, que se observarmos cuidadosamente, perceberemos que  todos os seres vivos estão tão ligados entre si e com o ambiente físico, os animais dependem uns dos outros e das plantas, que também dependem dos organismos decompositores, para reciclagem da matéria orgânica. E todos dependemos da água. Esta interdependência  é comparada por alguns cientistas como se a Terra fosse um grande organismo: é a chamada hipótese de Gaia, formulada em 1979 por James Loverlock. Na mitologia grega Gaia significa a deusa que personifica a Terra. Este pensamento é muito discutido, mas de qualquer forma todos concordam com as fortes relações entre o ambiente físico e os seres vivos. 

O Brasil é muito grande e apresenta uma variedade de ecossistemas, os mais significativos são: florestas, como a floresta Amazônica, cerrados, campos, caatinga, mangue e o Pantanal.

Um ecossistema funciona graças à manutenção do fluxo de energia e do ciclo de materiais, desdobrando uma série de processos e relações energéticas, chamada de cadeia alimentar, que agrupa membros de uma comunidade natural.

A principal unidade funcional de um ecossistema é sua população. Ela ocupa um certo nicho funcional, relacionada a seu papel no fluxo de energia e nutrientes. Quando uma população atinge os limites impostos pelo ecossistema, como por exemplo, não é suficiente a quantidade de alimento para um animal, ou não há espaço suficiente para várias plantas; seu número precisa estabilizar-se, e caso isto não ocorra, deve declinar em conseqüência da fome, competição ou baixa reprodução.

            A poluição do ar e da água, a desertificação do solo, o consumo excessivo dos recursos naturais, a destruição da biodiversidade, as contaminações radioativas e outras agressões repetidas do homem contra o meio ambiente constituem uma das mais alarmantes realidades do nosso planeta. Os desequilíbrios causados são tão profundos que chegam a ameaçar a sobrevivência da própria espécie humana.

 Muitas vezes não percebemos todas as formas de poluição existentes e nem como elas afetam os seres vivos. As conseqüências da poluição podem ser imediatas, como morte de vegetais, de microorganismos, de animais, como por exemplo os peixes, após derramamento na água de algum produto tóxico. Em alguns casos ela será percebida apenas mais tarde, como intoxicação alimentar ou outras doenças e com vários comprometimentos, como os casos de acidentes radioativos, poluição atmosférica causada por gases tóxicos e até mesmo chuva ácida.

Dentre os problemas gerados pela poluição um dos mais graves é o efeito estufa. O gás carbônico juntamente com o gás metano, com o vapor de água e outros gases, forma uma barreira na atmosfera, que deixa passar a luz do Sol, mas retém o calor irradiado pela superfície terrestre.

Fato semelhante ocorre numa estufa de vidro. O vidro deixa passar a luz que é  absorvida pelo solo e refletida na forma de calor. No entanto as ondas de calor não atravessam bem o vidro e são refletidas aquecendo a estufa. Por essa razão o efeito do aquecimento do planeta é chamado "efeito estufa".

O efeito estufa mantém a temperatura média da Terra em torno de 15oC, sem ele nosso planeta estaria permanentemente coberto por uma camada de gelo. A partir da revolução industrial e principalmente nos últimos tempos a queima de combustíveis como o petróleo, aumentou muito gerando alta  na concentração de gás carbônico. Isto significa que a temperatura do planeta está aumentando, provocando aumento na quantidade de água, mudando as correntes e alterando o regime de chuvas. Com isso acredita-se que a agricultura também será prejudicada. Outro fator negativo será a proliferação de insetos que se reproduzem mais em temperaturas maiores transmitindo doenças que atacam as plantações. Cientistas do mundo inteiro estão atentos para estas causas e, o efeito estufa, assim como outras formas de poluição estão sendo discutidas em todo mundo.

 

 

 

 

 

Resultados e ConSIDERAÇÕES:

 

Mesmo em um pequeno aquário pudemos estudar ecologia, já que sabemos que não há limites de tamanho para um ecossistema, ele precisa ser composto de fatores bióticos e abióticos. Talvez não tenha sido possível observar todos os tipos de interações como as que acontecem em uma grande floresta, mas, através das interações que observamos, agora podemos inferir com maior clareza como são algumas destas interações, tanto entre os componentes abióticos e os seres vivos como entre os próprios seres vivos.

Quando construímos a primeira maquete do ecossistema, o controle, percebemos que os vegetais maiores que colocamos não sobreviveram, provavelmente por falta de espaço físico e falta de nutrientes apropriados. Os vegetais de menor porte tiveram uma boa adaptação ao longo do período observado, pois suas folhas não murcharam e estes mantiveram sua aparência de quando coletados. Das sementes que colocamos no aquário, somente a de feijão germinou e os pés de feijões passaram a fazer parte da pequena  vegetação do ecossistema, outras sementes não germinaram, talvez porque o tempo de observação foi curto ou as condições ambientais  para aquelas variedades de sementes não foram adequadas.

Quanto aos animais, foram colocados “tatuzinhos-de-jardim", que pertencem ao filo Artrhopoda e classe dos Crustáceos, sendo estes os únicos membros terrestres desta classe. Deste mesmo filo, mas da classe Diplopoda, também foram colocados piolhos-de-cobra, e ainda  minhocas do filo Annelida e classe Polichaeta. Estes representantes atuam como arados naturais, construindo galerias subterrâneas, revolvendo o solo e, assim, aumentando a sua aeração e a drenagem da água. Todos os tipos de animais sobreviveram bem no ecossistema controle, apenas alguns tatuzinhos morreram, isto talvez porque nós colocamos muitos exemplares.

A montagem e observação dos ecossistemas nos permitiu fazer vários questionamentos sobre a poluição em um meio ambiente poluído. O equilíbrio que nós observamos no ecossistema controle não foi mais observado depois do impacto. Várias espécies vegetais começaram a murchar instantaneamente após o impacto e a morrer posteriormente, tanto com o ácido como com o cigarro. Imediatamente, estes efeitos foram observados no ecossistema impactado com cigarro, nos dando noção do que ocorre quando queimamos combustíveis em nossos carros e da fumaça gerada pelas indústrias que a longo prazo é muito prejudicial. Mais tarde observamos efeitos semelhantes no impactado com ácido. Os pequenos animais não conseguiram sobreviver a ambos os tipos de  poluições, mostrando que os efeitos causados no organismo são muito sérios, tanto que gerou a morte dos animais.

Assim podemos concluir que qualquer tipo de poluição prejudica muito um ecossistema, devido a substâncias tóxicas encontradas no meio ambiente. As plantas, por exemplo,, podem ser intoxicadas e mortas ou servirem de alimento para outros animais carregando consigo um produto tóxico, estes então também podem morrer. Nem todos os animais morreram rapidamente, alguns demoraram dias, outros semanas, desta forma os efeitos da poluição podem ser diretos ou indiretos. Além disso o solo também é contaminado, ficando impróprio para o cultivo de plantas. Neste projeto aconteceu algo parecido quando plantamos feijões e estes não germinaram e nem se desenvolver bem nos ecossistemas impactados da mesma forma que se desenvolveram no ecossistema controle.

Os poluentes interferem na organização dos ecossistemas através de danos em  seus componentes, animais e vegetais, causando desequilíbrios que podem ser irreversíveis, pois causam a morte dos seres vivos, sem contar que contaminam o solo, provocando efeitos maiores a longo prazo. Quando poluímos o ambiente também geramos desequilíbrio nos ciclos que ocorrem naturalmente, como o ciclo da água por exemplo que sofre as conseqüências do efeito estufa e pode acabar gerando chuva ácida.

Portanto, a poluição prejudica e devasta muito um ecossistema, sendo que um ambiente limpo e preservado mantêm-se vivo por muito mais tempo. Assim devemos evitar poluição, caso contrário seremos vítimas deste problema.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

Canto, E. L. do. Ciências Naturais (aprendendo com o cotidiano). Editora Moderna

 

Enciclopédia do Estudante. Vol. 2. Nova Cultural, p:453

 

Enciclopédia Barsa. Vol. 5. Britannica, p:250.

 

Ecologia: Aventura na Ciência. Editora Globo.p: 20, 30 e 80.

 

Linhares, S. G., F. Biologia Hoje. Vol. 3. Editora Ática, 1997.p:247-268.

 

Nova Enciclopédia Ilustrada Folha- Vol. 1. São Paulo, 1996.

 

Odum, E. P.. Ecologia. Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

 

Site: www.ecossistemas.hpg.com.br. data de acesso: 19/06/01.


  VOLTAR